Mais recente

Arnaldo Antunes - Ninguém (1995)

João Nogueira - João Nogueira (1972)


Artista: João Nogueira
Disco: João Nogueira
Ano: 1972
Esta edição: 2008 (Re-edição em CD)
Gravadora: Odeon (Edição original / EMI (Esta edição)
Estilo: Samba
Tempo total: 30:26
Formato:
 MP3 320k (+ scans)

Faixas:
01. Morrendo Verso Em Verso - 2:08
02. Maria Sambamba - 2:25
03. Beto Navalha - 2:47
04. Mãe Solteira - 2:51
05. Alô Madureira - 1:59
06. 7º Dia - 2:37
07. Heróis Da Liberdade - 3:05
08. Mariana Da Gente - 3:15
09. Pr'um Samba - 2:19
10. Meu Caminho - 2:13
11. Das 200 Para Lá - 2:37
12. Blá, Blá, Blá - 2:02

Um pouco da história:
João Nogueira (Rio de Janeiro, 12 de novembro de 1941 — Rio de Janeiro, 5 de junho de 2000) foi um cantor e compositor brasileiro. Desde o início de sua carreira ficou conhecido pelo suingue característico de seus sambas. É pai do também cantor e compositor Diogo Nogueira.

Filho do advogado e músico João Batista Nogueira e irmão da também compositora, Gisa Nogueira, cedo tomou contato com o mundo musical. Logo, aprendeu a tocar violão e a compor em parceria com a irmã.

João Nogueira começou a compor aos 15 anos, fazendo sambas para o bloco carnavalesco Labareda, do Méier, através do qual conheceu o músico Moacyr Silva, dirigente da gravadora Copacabana, que o ajudou a gravar o samba Espere, Ó Nega, em 1968. Mas ele apareceu na cena artística nacional quando no início dos anos 70 emplacou o sucesso Das 200 Pra Lá, samba que defendia a política de expansão de nossa fronteira marítima ao longo de 200 milhas da plataforma continental. O samba assumiu as primeiras posições das paradas na voz de Eliana Pittman e mereceu citação em reportagem da revista americana Time, pelo seu tom nacionalista afirmativo.


Funcionário da Caixa Econômica, João se viu às voltas com certo patrulhamento, já que a bandeira das 200 milhas havia sido levantada pelo governo militar. “Pensaram que eu tinha virado Dom e Ravel”, brincou ele mais tarde. Seu primeiro disco foi um compacto simples com Alô Madureira e Mulher Valente. Em 1969 Elizeth Cardoso gravou seuCorrente de Aço, no disco Falou e Disse.

Mas o primeiro álbum, que levou seu nome no título, só veio em 1972, pela Odeon, selo pelo qual lançaria seus primeiros seis LPs. No disco, um clássico: Beto Navalha, regravado com grande força por Martinho da Vila, em 1973, no LP Origens.

Fonte: Wikipedia

Prévia:

PEGUE A BR! 
Senha: br320